Saúde da capital volta com ações de combate ao Aedes aegypti


A Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju retomou a realização de mutirões de combate ao Aedes aegypti. A ação ocorreu no bairro José Conrado de Araújo no sábado, dia 09. O trabalho teve o apoio da Empresa Municipal de Serviços Urbanos e o foco é identificar e eliminar do mosquito Aedes aegypti, além de orientar a população.


Só em 2022, Aracaju já notificou 241 notificações das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Foram 114 casos de dengue, 125 de chikungunya, e dois de zika. De acordo com o gerente do Programa Municipal de Combate ao Aedes, Jeferson Santana, para o efetivo enfrentamento à proliferação do mosquito, é necessário que população colabore com as ações do município, evitando o acúmulo de água parada e fazendo a limpeza regular de reservatórios. “Além de voltar a vistoriar e eliminar possíveis focos do mosquito dentro das residências, os agentes verificam as praças, terrenos e áreas de uso comum na localidade, aplicando todas as medidas sanitárias recomendadas, fazendo uso dos equipamentos de proteção individual e com a devida autorização dos proprietários”, explicou.


O gerente também recomenda que a população faça uma busca detalhada no imóvel e caso haja uma possível identificação de foco, é importante fazer o controle. Jeferson também alerta para a mudança climática como um fator de atenção. "Essa mistura de chuva e calor é propícia ao surgimento de mais mosquitos. Quando as pessoas deixam recipientes sem os devidos cuidados, os mosquitos depositam os ovos, os quais entram em contato com a água e proliferam. Quando o tempo está mais frio, a larva se transforma em mosquito adulto entre 15 e 20 dias, mas, quando está mais quente, em sete dias já temos um mosquito adulto", enfatizou.


Para eliminar criadouros da dengue, os cuidados são simples. É preciso manter os reservatórios bem fechados, fazer a manutenção correta dos locais que acumulam água como piscinas e bebedouros de animais, cuidar para manter lixeiras fechadas e fazer o descarte correto do lixo ou entulho, guardar pneus e garrafas em local coberto entre outras ações.


Caso a pessoa aparente algum sintoma, deve procurar sua Unidade Básica de Saúde de referência. Todas elas possuem o teste de detecção das três doenças, bem como profissionais capacitados para atender e orientar todos que se encontram nesta situação de enfermidade. “E uma vez realizado o atendimento, as UBSs ou os hospitais, nos casos mais graves, nos encaminham as notificações. É com base nelas que selecionamos os bairros para receber ações extras, como mutirões e fumacês costais, por exemplo,” orientou Jeferson Santana.



Portal C8 Notícias

Foto: Ascom SMS