“Quem chegou pra resolver infelizmente não resolveu”, diz Danielle Garcia


A Delegada Danielle Garcia foi entrevistada da manhã desta quinta-feira, dia 05, no Programa “Linha Direta”. Ela comentou sobre sua atuação na política, destacou que é pré-candidata ao Senado pelo Podemos e comentou sobre a representatividade de agentes de segurança nos poderes.


De inicio ela lembrou que já está aproveitando o momento atual para conversar com as pessoas. “Não sei os outros, mas vejo isso como uma grande missão. Temos que ouvir o povo, as iniciativas, as ideias. Isso é fundamental para quem deseja disputar o cargo no legislativo ou Executivo”, comentou.


Perguntada sobre o Podemos no estado, Danielle Garcia disse que o diretório está sendo reestruturado. “Já estamos com nossos advogados, resolvendo algumas pendências. À nível nacional estamos bem organizados. É uma sigla que se assemelha muito a minha pessoa. Estou confortável no Podemos”, destacou.


Questionada do motivo sobre a pré-candidatura ao Senado Federal, a delegada disse que o que está em jogo não é o mais fácil para ganhar. “Estar na política deve ser um desafio e não ter algo livre para entrar. Não é escolha minha, a determinação veio das pessoas que sempre relacionaram meu nome, primeiro ao Executivo e depois ao Legislativo em Brasília. Tem também o imaginário de pessoas que querem quem saia uma mulher e entre outra. Isso tudo vem de fora pra dentro”, destacou Danielle.


Com relação a apoios, ela foi provocada sobre conversas com Valmir de Francisquinho. Danielle disse que, neste momento, todos conversam com todos. “É claro que com a situação não dialogamos. Conversamos sim com Valmir, mas também conversamos com o grupo do Senador Alessandro Vieira. Existe todo um agrupamento politico. Não existe partidos avulsos, temos que ter grupos. Se a oposição estiver unida será uma força muito grande, mas a diferença é a questão nacional. Talvez isso posa ajudar a quem está com a máquina pública. Mas seguiremos nosso caminho”, comentou.


Danielle Garcia também lembrou a importância da mulher na política. Para ela, é preciso ocupar sempre os espaços, antes apenas exclusivamente masculinos. “Passamos muito tempo, por exemplo, em uma policia feita apenas de homens. Viemos ter esse olhar mais cuidadoso. Bem assim é na politica. Por que não ocupar os espaços?? Devemos sim estar disponíveis para liderar nos poderes”, explicou.


A pré-candidata também destacou as ondas de candidaturas de delegados em 2018. Para ela, isso diz respeito ao trabalho. “Como estamos na busca de combater o erro, a população deve ter relacionado a isso. Se não houver algo que impeça, não vejo problemas de agentes de segurança disputando e convivendo na política”, alegou Danielle.


A delegada foi provocada sobre a atuação de Belivaldo Chagas no comando do Governo. Para ela, a gestão ficou muito a desejar. “Sou suspeita de falar, mas acho que já estamos em um tempo de gestões que não foram condizentes. Jackson Barreto mesmo foi péssimo. O galeguinho disse que iria resolver. Quem chegou pra resolver não resolveu. Agora vem o Fábio Mitidieri dizendo que vem com a esperança, mas esperança de que? Tem coisas boas no Governo, sim, mas teve mais erros também. É nessa balança que quero debater. Para mim essa gestão já passou do tempo. Precisamos de qualidade na saúde, educação e desenvolvimento. Vemos nossos estados vizinhos crescendo e aqui parado”, lamentou.


Ao final ela destacou as ultimas ameaças que recebeu pelas redes sociais. “A suspeita é que essas mensagens vieram de fora. Já estão sendo investigadas. Confio muito em nossa Polícia Civil. Isso mostra o quanto ser delegada não é fácil no nosso país. Sempre convivemos com o risco. Apesar de redobrar os cuidados, estou tranquila”, afirmou.



Portal C8 Notícias

Fotos: Rozendo Aragão