Professores de Aracaju podem entrar em greve sanitária

Atualizado: Mai 11


Na tarde desta segunda-feira, dia 10, o presidente do Sindicato dos Professores da Rede Municipal de Ensino, Adelmo Meneses, destacou no “Inove Noticias” com Kleber Alves as ações promovidas pela entidade para o não retorno às aulas presenciais por conta da pandemia. Ele também alertou a possível greve sanitária por parte dos docentes da capital sergipana.


Segundo o presidente, o alerta já foi repassado ao chefe do executivo. “Nós deliberamos, em assembleia, que, caso o próximo decreto do prefeito Edvaldo Nogueira saia determinando o retorno das aulas, qualquer ano que seja, nós entraremos com a greve sanitária”, disse Adelmo.


O líder do magistério municipal lamentou que a essa altura os professores ainda não estejam nas prioridades e que o movimento vai continuar atuando on-line, mas sem a presença física nas escolas. “A greve sanitária é aquela que solicita condições de trabalho para que se tenha um bom êxito nas funções. Neste caso, as nossas 75 unidades de ensino não dispõem de condições de retorno presencial”, destacou.


O sindicalista também solicitou do poder municipal que os docentes tenham condições de atuarem de forma remota. “É importante que os professores tenham um programa digital que atendam todas as necessidades, tanto de professores como de alunos. Até o momento aguardamos posicionamento da Secretaria Municipal de Educação, diferente do Estado que já anunciou apoio para o trabalho”, declarou Professor Adelmo.


Com relação a fim do movimento, ele lembrou que só com a vacina para os professores é que se pode pensar em retomada presencial. “São esses e tantos outros problemas que sempre alertamos a Educação Municipal e que até agora aguardamos retorno, a exemplo do piso salarial e condições de trabalho. Esperamos que as melhorias cheguem e logo”, alertou.