Nutricionista chama atenção das comidas no período junino


A Nutricionista Wanessa Freire foi a entrevistada do Programa “Cultura News” da WebTV Cultura na noite desta terça-feira, dia 22. A temática abordada foi com relação as cautelas que devemos ter com o consumo de comidas típicas do período junino sem enfrentar muitos problemas com a balança no final do mês.


Milho, canjica, mugunzá, bolos, entre outros produtos são bem convidativos para esse período do ano. No entendimento da especialista, não existe proibição, mas é preciso controle no que se come. “Nossa culinária nordestina e sergipana é bem calórica sim. Mas isso depende de quanta porção dos alimentos que se vai degustar. Todo excesso alimentar traz uma consequência”, alertou Dra. Wanessa.


Outro ponto que ela lembrou é sobre o preparo, seja com produtos comuns ou diet ou light. “Um exemplo é fazer canjica com adoçante. Mesmo sendo com esse preparo, se a pessoa comer bastante, vai ter tantas calorias como se comesse um produto com açúcar comum. O ideal é a pessoa ter o controle da alimentação, mesmo a época convidando para vários pratos”, destacou.


Com relação às comidas típicas, a Nutricionista destacou que cada produto tem uma particularidade. “Um milho pequeno tem em média 130 calorias. Ou seja, a depender do milho, já é uma caloria considerável. Imagine então uma pessoa comendo várias espigas ou degustando produtos à base de milho com a mistura do coco. No entanto, o milho tem seu lado benéfico, que é rico em fibras e carboidrato. Ele ajuda no trânsito intestinal, ajuda a compensar o colesterol das pessoas, além de ser bom para memória e imunidade”, comentou.


O amendoim cozido, conhecido em Sergipe por ser patrimônio imaterial do Estado, também é outro alimento muito calórico, mas que também tem benefícios, se consumidos com moderação. “O amendoim tem um grande percentual de gordura boa, proteínas e fibras. Muitas pessoas que praticam atividade física usam ele. Se tivermos bom senso, podemos comer sem se culpar depois”, lembrou Dra. Wanessa.


Outro meio de aumento de calorias é a mistura de comida com bebidas. Para a especialista, é preciso ter cuidados. “Refrigerante em si é uma bomba calórica que não traz nenhum benefício. Misturar comida e bebidas, incluído ai as alcoólicas, atrapalha na digestão. Por isso é bom evitar, pois muitos podem reclamar de inchaço no estômago”, alertou Dra. Wanessa.


Ao final a Nutricionista disse que a pandemia fez com que mais pessoas registrassem obesidade devido a outro mal: a ansiedade. “Por conta deste clima de insegurança com a covid-19, muitos permaneceram em casa. Ai boa parte que talvez não tivesse atividade física decidiu descontar em comidas industrializadas. É preciso um acompanhamento das pessoas que passam por isso. E no caso de uma busca de readequação dos alimentos, evitar sites de internet e procurar profissional da área”, completou.



Portal C8 Notícias

Foto: SES