“Não apoiei nenhum e nem outro, e deixei isso bem claro”, afirma Emília Corrêa.




Na manhã desta terça-feira(8), Jairo Alves recebeu em seu programa “Linha Direta”, a vereadora Emília Corrêa (PATRI) para tratar de assuntos políticos como seu mandato na câmara e a campanha feita junto a Valmir de Francisquinho (PL) para o governo do estado.

Emília foi candidata a vice-governadora junto com Valmir durante as eleições do primeiro turno, e agradeceu a toda população sergipana pela votação. “Tivemos uma votação bastante expressiva principalmente em Aracaju, onde 133.000 pessoas votaram em nós”, afirma.

Após o primeiro turno, Valmir de Francisquinho declarou apoio ao então candidato Rogério Carvalho (PT) e acabou contrariando parte do seu eleitorado. Muito foi questionado sobre o posicionamento que Emília iria tomar naquele momento. “Eu fiz questão de seguir o que a gente sentia, o que o público manifestou de forma muito forte. Então eu procurei ser o mais coerente à vontade do povo”, explica.

A respeito das manifestações que vêm ocorrendo no país todo, e inclusive na capital sergipana, Emília diz que se o protesto é válido se for pacífico. “Vivemos num estado de direito. Mas se vier atrapalhar, incomodar e interromper o direito de ir e vir das pessoas, se torna antidemocrática”, diz.

Sobre o futuro como parlamentar, Emília ainda tem dois anos de mandato como vereadora do município de Aracaju. E sobre uma possível candidatura à prefeitura de Aracaju ela conta que desde 2012, em sua primeira eleição, vem se preparando. “Esse preparo que está sendo feito não é só de participações em campanhas, é de vitórias também, de assumir mandatos, de entender como os políticos funcionam. Hoje eu entendo que é cedo ainda para pensar nisso”, revela.

Por Sérgio Cardoso

Portal C8

Foto: Reprodução/Internert