“Hoje eu não tenho relação nenhuma com ele”, declara Eliane Aquino sobre Belivaldo Chagas


Na última sexta-feira (07), a vice-governadora Eliane Aquino (PT) comentou sobre sua relação com o atual governador do estado, Belivaldo Chagas, e sobre desavença com Camilo Feitosa Daniel, ex-vereador de Aracaju e filho do deputado federal João Daniel (PT). As declarações foram dadas em entrevista concedida ao jornalista Jairo Alves, no programa Linha Direta, da Rádio Cultura.


“Hoje eu não tenho relação nenhuma com ele”, declarou Eliane sobre o governador. Segundo ela, eles mantinham uma relação próxima, “eu sempre tive Belivaldo como um amigo. Eu não entrei para ser vice-governadora dele em busca de poder ou em busca de qualquer outra coisa, eu entrei porque eu o considerava um amigo”, comentou. Mas, ao ser questionada se essa relação ainda existia, a vice-governadora falou sobre o pedido de impugnação da candidatura que foi protocolado pela Coligação “Novo Tempo para Sergipe”, que tem em sua formação o Partido Social Democrático (PSD), partido do governador Belivaldo. “O PSD entrou com um pedido de impugnação contra mim, sem eu saber”, relatou Eliane.


A vice-governadora, que disputou sob judice para o cargo de deputada federal, relata que não estava ciente de que deveria ter se desincompatibilizado dos cargos que ocupava em conselhos deliberativos de órgãos públicos, e que ninguém, incluindo o governador, a avisou sobre a necessidade de se desvincular dos cargos, “não sei se foi esquecimento, mas eu não tive uma única pessoa que tocasse nesse assunto comigo”, afirmou.


Na última terça-feira (04), Eliane teve o recurso de defesa aceito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), julgando improcedente a impugnação apresentada pelo Ministério Público Eleitoral, o que fez com que os 66.072 votos obtidos para o cargo de deputada federal passassem a ser válidos. Porém, mesmo com a validação dos votos, neste novo cenário ela não seria eleita, pois João Daniel (PT), candidato ao mesmo cargo, obteve mais votos.


“É lógico que eu queria entrar, que eu queria estar ao lado de Lula, eu quero muito ajudar o nosso país, mas, se não foi possível, então que entre o Partido dos Trabalhadores, que entre o meu partido, que eu tenho certeza absoluta que em todas as votações que tiverem, vai ser do lado da população, vai ser do lado dos trabalhadores. Eu não quero perder essa vaga para o símbolo do fascismo, é por isso que eu não desisti”, declarou a vice-governadora.


Porém, Eliane revelou durante a entrevista que teve problemas com Camilo Feitosa, filho de João Daniel, pois este teria pedido aos eleitores que, por conta do pedido de impugnação da sua candidatura, não votassem em Eliane e sim em seu pai. “Eu acho que ele agiu de uma forma extremamente desonesta, ele não foi correto com uma companheira do partido, porque se ele quisesse falar qualquer coisa que viesse para mim, mas que não fosse para a população para pedir que não votasse em mim e que votasse no pai dele”, comentou Eliane.



Por Fernanda Santiago

Portal C8 Notícias

Foto: César de Oliveira / Alese