Famílias sergipanas atingem o menor índice de inadimplência da história


Apesar do Brasil ainda estar no rescaldo da pandemia da covid-19, há bons sinais na economia, em especial em Sergipe. De acordo com a Assessoria Executiva do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac, os consumidores locais atingiram o menor percentual de inadimplência da série histórica. A análise fez parte da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor.


O acompanhamento foi feito em março deste ano. O indicador apontou 4,5% de famílias que não tinham condições de pagar suas dívidas. A redução é de 1,9% comparado ao mês de março de 021 e de 0,5% diante do mês de fevereiro de 2022.


O endividamento das famílias sergipanas em março chegou a 77,4%, mostrando elevação de 1,1% referente a março de 2021. São pouco mais de 156 mil famílias com dívidas, originada em compras que movimentam o comércio, financiamentos, operações de créditos e empréstimos, também assinaturas de serviços mensais e contas cotidianas, energia e telefonia. Entre os sergipanos pesquisados, cerca de 23% dizem não possuir dívidas.


O vilão continua sendo o “dinheiro de plástico”. De acordo com o acompanhamento, o cartão de crédito é parte das dívidas de 96,6% das famílias entrevistadas. Depois vêm as operações de crediário por meio dos carnês de compras, com 30,6 % e credito pessoal com 18,8%.


Segundo o Presidente do Sistema Fecomércio, Laércio Oliveira, apesar de muitas pessoas ainda terem dívidas, o resultado da análise apontou fatores que colocam as famílias no menor patamar. “Sergipe atravessou a crise provocada pela pandemia com muito esforço e o ano de 2021 foi de crescimento no mercado de trabalho, com quase 14 mil novos empregos. Isso se soma aos mais de 15 mil recuperados ao longo da pandemia, colocando o estado de volta em um bom patamar em termos de colaboradores nas empresas. E com as pessoas recuperando seus empregos e conquistando novos postos de trabalho, a renda familiar eleva e as contas voltam a ser pagas com regularidade”, explicou.



Portal C8 Notícias

Foto: Sara Florência/Jucese/divulgação