“Existe ausência de fiscalização sobre uso de máscara”, alerta Promotora do MPSE


O Linha Direta desta segunda-feira entrevistou a Promotora de Justiça e membro do Gabinete de Monitoramento da Saúde do Ministério Público de Sergipe, Silvia Leal. Ela comentou sobre a campanha “aglomeração na festa junina só quando todo mundo tiver tomado a vacina” e demais assuntos relacionados a pandemia.


Silvia Leal explicou que a campanha foi lançada no começo do mês. “A medida vem chamar a atenção para que as pessoas possam se proteger. Além disto, alertar por causa da gigante quantidade de casos e óbitos, além de buscar reduzir a grande ocupação de leitos de UTI”, lembrou.


Sobre o pedido junto aos governos para evitar festejos, a promotora disse que as gestões já estão se antecipando. “No fim de maio o Governo de Sergipe já tinha emitido alerta de não ter festas. Ao mesmo tempo muitos municípios também seguiram. Isso serve para evitar eventos, acender fogueiras e fogos. Precisamos conscientizar a população sobre essas condutas”, pontuou.


Perguntada sobre denuncias de aglomeração, a Promotora do Ministério Público disse que vem recebendo em grande quantidade. “Temos canal de comunicação pelo telefone 127 e pela internet. Lamentavelmente temos vários registros de festas clandestinas, com muitas pessoas reunidas. Mas os órgãos de controle e segurança estão unidos para que todos cumpram as medidas”, alertou.


No caso da vacinação, Silvia Leal disse que foi feito levantamento a quantidade de doses distribuídas. “Foram mais de 700 mil doses distribuídas pelo estado. Deste total, mais de 500 mil foram para primeira dose. Infelizmente ainda não estamos na metade de imunizados. Mas Aracaju, por exemplo, já está avançando. Barra dos Coqueiros e São Cristóvão também estão com calendário até 18 anos. É preciso que a população compareça para se imunizar. Até lá, uso de máscara, álcool gel e distanciamento”, declarou a promotora do MPSE.


Com relação a fiscalização nos dias de festejos, a promotora destacou que denuncias podem ser feitas. Se forem descobertas as festas com muitas aglomerações, as pessoas poderão denunciar as forças de policia e também os canais do Ministério Público. “Atrelado a isso estamos cobrando da Prefeitura de Aracaju e demais cidades o avanço da vacinação e também as medidas restritivas. Lembramos que máscara é importante e de uso obrigatório. Devemos manter isso e fiscalizar”, informou Silvia Leal.


Sobre a questão de multa das máscaras, a promotora disse que foi feito levantamento e que, até agora, nenhuma foi aplicada. “Existe uma falta de fiscalização do uso de máscara. A justificativa dada foi que tem ausência de agentes para fiscalização, falta de medidas concretas, entre outros pontos. Diante dessa omissão, cobramos responsabilidades do Estado pela falta desta cautela”, alertou.



Portal C8 Notícias

Foto: MPSE