“Alessandro e Danielle nunca foram referência para mim”, diz André Davi


Na manhã desta quinta-feira, dia 04, o Pré-candidato a Deputado Federal pelo Republicanos, André Davi, esteve no “Linha Direta” com Jairo Alves de Almeida. Ele destacou sua carreira como delegado da Polícia Civil e a pretensão politica deste ano.


O entrevistado lembrou que já tem mais de 15 anos que atua na força de segurança e que, durante este tempo, viu muitas histórias. “Muita gente acha que estamos nas ruas para exterminar todo mundo, e não é isso. Queremos o cidadão de bem que ele ande tranquilo. Queremos tirar de circulação os que praticam o mal. E não só na criminalidade. Existem problemas a serem encarados e este é um pensamento meu”, destacou André.


O pré-candidato destacou que nunca foi filiado a nenhum partido e que está no campo político para superar a batalha da desigualdade. “Me senti convocado para ser um lutador por um país melhor. O Brasil tem de tudo para ser uma grande potência no mundo. É para isso que estamos na luta”, afirmou o delegado.


André Davi destacou que é preciso acabar com a história de que a policia é totalmente vilã. Para ele, em muitos casos, ela acaba sendo mocinho da situação. “Temos leis arcaicas, que soltam bandidos com menos de um dia de preso. Fazemos um sacrifício para cumprir ordens judiciais e essas criaturas ficam soltas. Neste caso os policiais e toda a sociedade são vitimas disto. E preciso reverter logo essa situação”, conclamou.


Perguntado sobre a questão do desarmamento, o delegado disse que foi uma tragédia para o país. “Por conta disto o povo está morrendo sem poder se defender. Enquanto isso os marginais se armando com armas clandestinas. Queremos que todos possam ter esse direito de se proteger, agora dentro de uma legalidade. O que não dá é a pessoa entregar uma arma, ganhar R$ 300 e ser morta depois por elementos”, disparou o pré-candidato.


André Davi foi questionado se ele se empolgou com a onda de delegados que vem sendo eleitos nas últimas eleições. Durante a entrevista foram citados os casos do Senador e atual Pré-candidato ao Governo pelo PSDB, Alessandro Vieira, e a Pré-candidata a Senadora do Cidadania, Danielle Garcia. Para ele, nenhum dos dois o influenciou a nada. “Alessandro e Danielle nunca foram referência para mim. Se estou hoje na política foi pelo inconformismo ou pela vontade de mudar alguma coisa. Mas não considero os dois como algo que me fez pensar em ser político. Respeito os dois, mas temos pensamentos diferentes”, explicou.


André Davi disse que é preciso dar humanidade aos delegados, pois eles também sofrem com os problemas sociais do dia a dia. “Muita gente quer fazer campanha contra as forças de segurança. No entanto, sem delegado, sem policial na rua, em poucas horas viveríamos um caos. Não estaríamos aqui na rádio. Por isso que tenho esse pensamento. Delegado e policial devem ser humanizados, ganhar bem e serem sempre respeitados pelo cargo que atual”, disse.


Ao final ele fez elogios ao Republicanos. O partido está apoiando a pré-candidatura de Fábio Mitidieri, mas o delegado disse que vai apoiar o nome de Valmir de Francisquinho. “Neste ponto a sigla está de parabéns, pois deixou á vontade a escolha. Poderia muito bem cair fora, mas disseram que minha decisão seria respeitada. Por isso preferi ficar, apoiando outro nome diferente do que o Republicanos vai apoiar”, argumentou André Davi.




Portal C8 Notícias

Fotos: Rozendo Aragão