“A ideia é unir partidos democráticos contra Bolsonaro”, diz Fábio Henrique


O Programa “Linha Direta” desta quarta-feira, dia 26, entrevistou o Deputado Federal Fábio Henrique, do PDT. Ao apresentador Jairo Alves de Almeida, o parlamentar sergipano falou sobre propostas atuais na Câmara dos Deputados e a situação para 2022.


Fábio Henrique foi questionado sobre a PEC 32/2020, que é uma sequência da reforma administrativa. Neste caso, o foco é a retirada da estabilidade do serviço público. O parlamentar, que votou contra o relatório, disse que a intenção é enfraquecer ainda mais os servidores. “Isso dificulta a realização de concurso publico e facilita as terceirizações. Ou os sindicatos se mobilizam agora ou essa proposta vai passar igual a reforma da previdência. Em Brasília muitos estão iguais ao Ministro Ricardo Salles do Meio Ambiente, querem “passar a boiada”, enquanto não tem projetos para combate a covid-19”, lamentou.


Fábio Henrique lembrou que existem diversas reformas, mas que pouco incomoda os que têm mais poder financeiro. “Lembro aqui a reforma tributária, mas que não toca nos ricos. Se uma pessoa humilde comprar um carro, tem que pagar IPVA. Mas o rico que comprar um barco não é taxado. Tudo que é reforma é só em cima de quem ganha menos”, criticou o parlamentar.


Outro ponto citado por Fábio diz respeito ao voto impresso. Para o representante sergipano, da forma como está sendo colocada, a depender do custo e da segurança, não tem nada contra. “Vejo mais como uma garantia de segurança para eleitores e eleitos. Se for desta forma, sem retroceder com a antiga urna de lona e, principalmente, se não tiver custo a mais, não sou radical a ser contrário. Não devemos pensar isso como forma ideológica. A democracia só melhoraria”, pontuou.


Com relação a votação da reforma eleitoral, o deputado disse que não tem clima para essa apreciação. “Não vejo sentimento nenhum para mudança da legislação. Até setembro terá muitas analises, mas não tem condições de passar. Uma única proposta que vejo ser discutida é a sobra de votos que é a mais fácil de ser votada. As demais serão semelhantes às Eleições passadas”, comentou Fábio Henrique.


Sobre 2022, o Deputado comentou o cenário nacional, com a figura de Ciro Gomes. No entendimento de Fábio, a intenção é que todos os partidos de centro direita e de esquerda possam formar uma unidade para derrotar o atual Presidente. “Gostaria muito que isso ocorresse, mas está um tanto nebuloso. Mesmo assim vamos discutir meios para que tenhamos uma força democrática de oposição a Bolsonaro”, destacou.


Ao final Fábio Henrique lembrou que Edvaldo Nogueira é um nome forte para o Governo em 2022, mas diz que o Prefeito não discute isso agora. Sobre uma provável aliança com Rogério Carvalho, o parlamentar afirmou que tudo ainda muito cedo. “É preciso analisar a situação do cenário. Quiseram questionar a mim sobre a indicação de meu irmão Adilson para atuar na assessoria parlamentar de Rogério. Isso não teria nada a ver com uma coligação com o PT. Meu irmão é de maior e assume as responsabilidades”, concluiu.



Portal C8 Notícias

Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados